January 17, 2018

Please reload

Recent Posts

Power of the Invisible/ O Poder do invisível

July 12, 2020

(Versão em Português abaixo)

 

I am honored to be a recipient of the 2020 DC Commission on the Arts and Humanities Sister Cities Project Grant focusing on the relationship between international Capital Cities. Because I speak Portuguese, due to a long relationship with doing work in Brasil and being connected to the Capoeira community, I chose to focus on Brasília. It's proximity to the abundant geology of Minas Gerais would allow me to gather stones for my proposed new series of works to be exhibited in a solo show in DC. Also, because I am an architect, who has not been to this magical Capital city, it would offer me a chance to study the incredible architecture of Oscar Neimeyer.   Particularly his curves.

 

 

I was all set to travel to Brasil, when a virus, so small as to be invisible, had other ideas.

 

This microscopic COVID-19 continues its spread globally, it has been clearly illustrating that no amount of sheer will, weapons, machines, or aggression can stop it. Silently, patiently, it continues to network its way among humans, leaving a trail of death and destruction. While this may be frightening and deeply heart-wrenching for the pain it is causing us, it is also a lesson in the power of the invisible. 

 

Creativity is born from the constraints and restrictions of time and circumstance. I re-developed my project to something completely different, not requiring travel or a physical exhibition. Instead I am teaching a course to a group of selected mosaic arts students from Brasília and DC. Critical to the project is a wide network of artists and architects I have known for years, and some I am just meeting as a result of this project. Véra Oliveira runs her own Mosaic Art School in Brasília and has been instrumental in selecting students and assisting to distribute the giant box of supplies I sent for the course. I met her through Facebook contacts and other friends who have worked with her before, but I myself have only met her online. And Bonnie Fitzgerald of Maverick Mosaics, a long time friend and mentor, is serving as a manager and guide to helping me through this new world of online teaching. 

 

A component of the course will be public, shared here  Facebook Live - CLICK HERE

 

 

It was important to me that one presentation would be in Portuguese and one in English. Our private class is bi-lingual, which I believe gives the students a tiny glimpse into a world beyond their own tiny spaces. I do the in-class translations, but for these special presentations, we are fortunate to have a professional translator who has worked with the Smithsonian Folk Life festival over the years, and who is himself a Brazilian musician, Pablo de Oliveira. 

 

Not public, but of interest to fellow instructors and Professors, is the planned review process for outside artists and architects to visit our class to offer their insights and experience to my students. With nine students and the Zoom breakout rooms, eighteen visiting critics will be teaming in twos to meet students individually for critiques.

 

Stay tuned for more on the Sister Cities Project, and tune into our Facebook Live presentations on July 18th and July 25th at 5pm EST. 

 

Sinto-me honrado em receber o Subsídio do Projeto Comissão das Cidades Irmãs de Artes e Humanidades de 2020, com foco no relacionamento entre as Capitais internacionais. Como falo português, devido a um longo relacionamento com o trabalho no Brasil e por estar conectado à comunidade da Capoeira, optei por me concentrar em Brasília. Sua proximidade com a abundante geologia de Minas Gerais me permitiria encontrar as pedras para minha nova série de trabalhos a serem exibidos em um show solo em DC. Além disso, como sou arquiteto, e nunca esteve nesta mágica cidade capital, me ofereceria a chance de estudar a incrível arquitetura de Oscar Neimeyer. Particularmente suas curvas.

 

Eu estava pronto para viajar para o Brasil, quando um vírus, tão pequeno que era invisível, teve outras idéias.

 

Esse COVID-19 microscópico continua sua disseminação global, ilustrando claramente que nenhuma quantidade de pura vontade, armas, máquinas ou agressão pode impedi-lo. Silenciosamente, pacientemente, continua a se conectar entre os seres humanos, deixando um rastro de morte e destruição. Embora isso possa ser assustador e profundamente comovente pela dor que está nos causando, também é uma lição do poder do invisível.

 

A criatividade nasce fora do tempo e das restrições e circunstâncias. Re-desenvolvi meu projeto para algo completamente diferente, não exigindo viagens ou exibição física. Em vez disso, estou ministrando um curso para um grupo de estudantes selecionados de artes do mosaico de Brasília e DC. Crítica para o projeto é uma ampla rede de artistas e arquitetos que conheço há anos e alguns que acabei de conhecer como resultado desse projeto. Véra Oliveira dirige sua própria Escola de Arte em Mosaico em Brasília e tem sido fundamental na seleção de alunos e na distribuição da enorme caixa de suprimentos que enviei para o curso. Eu a conheci através de contatos do Facebook e outros amigos que já haviam trabalhado com ela antes, mas eu a conheci online. E Bonnie Fitzgerald, da Maverick Mosaics, amiga e mentora de longa data, atua como gerente e guia para me ajudar nesse novo mundo de ensino on-line.

 

Um componente do curso será público, compartilhado no Facebook Live. Os artistas Lula Marcondes, de Olinda, Pernambuco, Brasil, e Rachel Sager, de Whitsett, Pensilvânia, EUA, adicionarão riqueza e significado ao curso. Lula e eu somos bons amigos e colegas há muitos anos. Ele é professor de arquitetura da Universidade Federal de Pernambuco, músico e capoeirista, além de artista. E Rachel é minha primeira professora de mosaico formal, que abriu minha alma como um martelo na pedra. Tanto Lula quanto Rachel dedicam suas vidas à idéia de que aquelas coisas que muitas vezes são invisíveis, sem importância ou talvez sem sentido para as massas, são de fato tesouros mágicos a serem trazidos à luz. Dos fragmentos descartados de xisto, carvão e cachorro vermelho nos mosaicos de Rachel feitos nas ruínas de uma mina de carvão dos Apalaches, aos elementos efêmeros do espaço, tempo, lugar que transformam o material em arquitetura, ao processo costurado à mão e meticulosamente lento Ao sequenciar as capas do Maracatu Rural, essas duas palestras exploram o poder do invisível à sua maneira.

 

Era importante para mim que uma apresentação fosse em português e outra em inglês. Nossa aula particular é bilíngüe, o que eu acredito que dá aos alunos uma pequena visão de um mundo além de seus pequenos espaços. Faço as traduções em sala de aula, mas, para essas apresentações especiais, temos a sorte de ter um tradutor profissional que trabalhou com o festival Smithsonian Folk Life ao longo dos anos e que é um músico brasileiro, Pablo de Oliveira.

 

Não é público, mas é de interesse dos colegas instrutores e professores, o processo de revisão planejado para artistas e arquitetos externos visitarem nossa classe para oferecer suas idéias e experiências aos meus alunos. Com nove alunos e as salas de discussão de Zoom, dezoito críticos visitantes se juntarão a dois para atender os alunos individualmente para críticas.

 

CLIQUE AQUI PARA JUNTAR-SE AO FACEBOOK AO VIVO NO DIA 18 DE JULHO, NAS 18:00, NO BRASIL

 

 

 

 

 

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Follow Us
Please reload

Archive
  • Instagram Social Icon
  • Facebook Basic Square

© 2015 by Meghan Walsh. Created with Wix.com

  • Instagram
  • Instagram
  • Facebook